“Corajoso é aquele que se comporta como deve”

“(…)

-E ele era corajoso? – perguntei.

-Deus é testemunha: ia sempre na frente; onde houvesse luta, lá estava ele.

-Então parece que era corajoso mesmo – disse eu.

-Não, meter-se onde não é chamado não quer dizer que seja corajoso…

-E o que o senhor entende por corajoso?

-Corajoso? Corajoso? – repetiu o capitão, com ar de uma pessoa que, pela primeira vez, se faz tal pergunta – Corajoso é aquele que se comporta como deve – respondeu, depois de pensar um pouco.

Lembrei que Platão define coragem como o conhecimento do que é preciso e não é preciso temer, e apesar da generalidade e da vagueza da definição do capitão, achei que a ideia fundamental de ambos não era tão diferente como podia parecer e que a definição do capitão era até mais correta do que a do filósofo grego, porque, se ele pudesse se expressar como Platão, certamente diria que corajoso é aquele que teme apenas aquilo que é preciso temer, e não o que não é preciso temer.

Senti vontade de explicar minha ideia ao capitão.

-Sim, disse eu. – Parece-me que em toda situação de perigo há uma escolha, e a escolha feita sob influência, por exemplo, do sentimento de dever é coragem, e a escolha feita sob influência de um sentimento baixo é covardia; por isso um homem que, por vaidade, ou por curiosidade, ou por cobiça, arrisca a própria vida não pode ser chamado de corajoso e, ao contrário, um homem que, sob influência de um puro sentimento familiar de responsabilidade ou simplesmente de crença, renuncia um perigo não pode ser chamado de covarde.

(…)”

A incursão (conto) – Liev Tolstoi

Contos Completos

Alegria de outono

17349503_1388939971162911_995994668_o
Logo que começou a primavera, eu recebi a notícia de que estava grávida.

Estar grávida revirou um monte de coisas na minha vida, nos meus planos, nas minhas emoções, na minha razão, nos meus relacionamentos, na minha alimentação e por aí vai, é daquelas coisas da vida que chega e muda tudo, porque tem que mudar mesmo. Mas ao mesmo tempo, sabem como é “mudaram as estações, nada mudou”.

Agora começa o Outono, e ele já é diferente de todos os outros que vivi, estamos preparando as coisas para a chegada do bebê #1, o tempo todo pensando em um bebê que irá chegar no outono e se adaptar e conhecer este mundo em dias frios. A leve esfriada deste último final de semana encheu meu coração de alegria por este tempo que se aproxima.

(Recomendam que as grávidas escutem as Quatro estações de Vivaldi, e acabei me apegando especialmente a esta música )

Sobre as coisas

Eu lembro de uma das primeiras vezes que pensei sobre as coisas que nos rodeiam, eu tinha ido viajar de férias com minhas família (meus pais e meus dois irmãos) para a praia, e ficávamos numa colônia de férias em pequenas casas, que tinham dois quartos, um banheiro, uma pequena cozinha, uma sala e uma varandinha com rede. A casa era toda pintada de branco, sem quadros, com pé direito bem alto e inclinado junto com o telhado, e eu lembro da deliciosa sensação de liberdade que ter tão poucas coisas e tão poucos ambientes me causou, eu tinha uns 12 anos.

Não, eu não morava em uma mansão, mas tínhamos um quarto para cada filho, a suíte dos meus pais, mais um banheiro, uma cozinha e sala grandes, e uma biblioteca (pais estudiosos tem bibliotecas em casa). Um quintal agradável e dois cachorros.

Mas no verão seguinte, eu resolvi viajar com apenas a mochila que eu ia todo dia para escola com roupa, pouquíssima roupa que eu lavava todo dia conforme usava, e que vejam bem, voltei para casa com várias roupas sem usar da minha pequena mala, aquela sensação era deliciosa e de liberdade, e então eu comecei a pensar em tudo que eu tinha.

Isto já tem muito tempo, tive mais uma experiência muito boa sobre não ter quase nada durante um intercâmbio de 5 meses na Argentina, mas mesmo assim eu não sou uma pessoa minimalista hoje em dia.

E a verdade, é que eu não sei exatamente porque, eu adoro o tema, adoro o conceito, tento comprar poucas coisas, não ter nada repetido, mas se você olhar minha casa, você nunca dirá que sou minimalista.

Então, neste feriado, assisti o documentário finlandês My Stuff

devido a indicação do lindo site/blog Casa Chaucha.

Achei sensacional o projeto, e acompanhar o desenrolar dele, confesso que muitas vezes tenho este sentimento de sufocamento pelas coisas que possuo, e queria muito poder tirar tudo, e só colocar de volta o que não me cause esta sensação.

Conclusão, nenhuma, só queria juntar tudo isto por aqui, organizar minhas ideias e sentimentos sobre tudo isto.

Vou deixar então a conclusão do Petri:

“Possuir é uma responsabilidade e as coisas são um peso. Sou eu quem decido que tipo de peso quero carregar.”

surge de uma necessidade

Uma obra de arte é boa quando surge de uma necessidade. É no modo como ela se origina que se encontra seu valor, não há nenhum outro critério. Por isso, prezado senhor, eu não saberia dar nenhum conselho senão este: voltar-se para si mesmo e sondar as profundezas de onde vem a sua vida; nessa fonte o senhor encontrará a resposta para a questão de saber se precisa criar. Aceite-a como ela for, sem interpretá-la. Talvez ela revele que o senhor é chamado a ser um artista. Nesse caso, aceite sua sorte e a suporte, com seu peso e sua grandeza, sem perguntar nunca pela recompensa que poderia vir de fora. Pois o criador tem de ser um mundo para si mesmo e encontrar tudo em si mesmo e na natureza, da qual se aproximou.

Rilke – Cartas a um jovem poeta

Esther me emprestou este livro, como me emprestou eu não posso grifar, o que é uma coisa muito difícil, pois ele tem parágrafos inteiros dignos de serem grifados, como não posso grifar coloco aqui, como lembrete para quando devolver o livro.

Obsessões por um mundo invertido

Revelei um filme pb de 2013, com fotos feitas em Buenos Aires, Colonia del Sacramento, Punta del Este e Montevideu, com minha falecida Diana Mini, não é a primeira vez que deixo um filme esperando tanto tempo para ser revelado, mas desta vez foi mais engraçado ver o resultado, relembrar os passeios, e encontrei minha antiga obsessão com duplas exposições com a Diana (a coisa que eu mais amava nela), mas desta vez com várias com giro de 180º.

Adoro este processo de depois de um tempo observar quais eram as minhas obsessões especificas em algum registro fotográfico, como eu tentava muitas vezes a mesma técnica, ângulo, condição, até encontrar o que buscava, ou então não encontrando nunca e seguindo diante. Faz parte de entender meus processos internos.

04740012.JPG04740018.JPG04740033.JPG

 

Bodas de algodão

JDF_Fe e Yasmin-0013.jpg

“Lievin estava no terceiro mês de casado. Era feliz, mas não como esperava, em absoluto. A cada novo passo, encontrava uma desilusão dos antigos sonhos e um novo encanto inesperado. Liévin era feliz, mas, uma vez iniciada sua vida familiar, percebia a cada passo que ela não era de maneira alguma aquilo que havia imaginado. A cada passo, experimentava o mesmo que um homem, depois de se encantar com o movimento suave e feliz de um barquinho sobre o lago, toma assento ele mesmo nesse barquinho. Liévin percebia que não bastava sentar-se reto para não balançar – era preciso ainda refletir, não esquecer nem por um minuto para onde navegar, não esquecer que sob os pés havia água, que era preciso remar e que as mãos, sem o hábito, doíam, que só olhar era fácil enquanto que fazê-lo, embora muito prazeroso, era também muito difícil.”

pag 475 (versão da Cosac Naify)

Anna Kariênina de Liev Tolstói

Eu poderia continuar colocando os próximos parágrafos, que são destes parágrafos sensacionais, bem escritos, que fazem a gente pensar e sempre me lembram que a boa literatura é autoajuda de longo prazo. Mas vou ficar apenas neste começo, para não cansar ninguém.

Li isto e me casei um ano e meio depois, reli estes dias, casada a dois anos, e foi muito mais profundo. Pensei que as vezes, é bom vermos o barquinho de fora também, para lembrarmos além da dor nas mãos que não estão habituadas.

JDF_Fe e Yasmin-0004.jpgJDF_Fe e Yasmin-0003.jpgJDF_Fe e Yasmin-0009.jpg

Minas em analógicas

Nos últimos tempos estiver duas vezes em Minas Gerais, uma na serra da canastra passeando e curtindo cachoeiras, e outra em Mariana com uma disciplina da graduação em uma viagem de estudos.

Nestas duas vezes usei bastante a câmera analógica, e estou gostando muito dos resultados, então, agora ta liberado presentes serem filmes analógicos 35mm ok?

As fotos deste post foram feitas com minha canon eos 300, lente 50mm 1.8 e filme kodak color plus ASA200

Eu adoro as cores e texturas, adoro como as poucas poses disponíveis refinam o que presto atenção, e gosto da qualidade grande da imagem, com um câmara tão leve.

42550035.JPG42550030.JPG42550024.JPG42550023.JPG42550022.JPG42550020.JPG42550012.JPG42550007.JPG42530035.JPG42530032.JPG78680033.JPG78680027.JPG78680025.JPG78680023.JPG78680021.JPG78680014.JPG78680013.JPG78680009.JPG78680018.JPG78680016.JPG78680008.JPG

La boheme

Um sonho: ver uma Ópera CHECK

Em grandíssimo estilo, presente do Felipe pro meu aniversário, e foi simplesmente SENSACIONAL, pera, eu preciso dizer mais uma vez S E N S A C I O N A L.

Foi muito legal porque ele me deu de presente de aniversário junto com vários livros sobre ópera (ele sabe que sou a louca dos livros, e que sempre adoro mergulhar na escrita e na história de qualquer experiência). Foi muito legal porque foi no Theatro Municipal de São Paulo, e nos resolvemos nos entregar a experiência no máximo, nada de ar blasé, nos estávamos indo numa ópera sem medo de passar vergonha por usar um longo ou gravata borboleta, foi tipo, uma das coisas mais legais que nos fizemos, com direito a comida sensacional no final.

Sobre a ópera em si, a parte de cenários me conquistou do início ao fim, era tudo tão lindo, tão minimalista, tão rico, é muito difícil explicar, mas me emociono lembrando mais uma vez, foi uma experiência artística de altíssimo nível, dá até medo de ir ver outras óperas e me decepcionar, porque tenho certeza que comecei com padrões elevados.

Fotos analógicas desta experiência, é mais nos mesmos, 🙂

42530026.JPG42530023.JPG42530017.JPG42530019.JPG42530016.JPG42530013.JPG42540030.JPG42540026.JPG42540028.JPG42540027.JPG42540016.JPG42540015.JPG

Muito obrigada Amalia, pelas fotos!