Amor-Doação

“(…) é um Amor-Doação, mas um Amor-Doação que precisa dar; portanto, precisa ser necessário. Mas a finalidade própria do ato de dar é deixar a pessoa que recebe num estado em que ela não precise mais de nossa doação. Nós alimentamos nossos filhos para que em breve eles sejam capazes de se alimentar sozinhos; ensinamo-los para que em breve não precisem mais de nossos ensinamentos. A missão desse Amor-Doação, portanto, é difícil. Ele precisa trabalhar para sua própria abdicação. Somos obrigados a nos tornar supérfluos. Nossa recompensa é o momento em que podemos dizer: “Eles não precisam mais de mim.” Mas o instinto, quando simplesmente em sua própria natureza, não tem o poder de cumprir essa lei. O instinto deseja o bem de seu objeto, mas não é tão simples – somente o bem que ele próprio pode dar. Um amor superior – o amor que deseja o bem do objeto como tal, qualquer que seja a origem do bem – deve intervir e ajudar ou controlar o instinto antes que a abdicação seja possível.  E é claro que muitas vezes isso acontece. ”

C.S. Lewis, no capítulo em que trata sobre a afeição, no livro  Os quatro amores  (pag 71 e 72 da 2ª edição)

Esta está sendo uma das leituras no tempo certo da vida, uma leitura sobre os quatro amores em um momento que experimento um dos amores inexplicáveis da vida!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s